O que é a Episiotomia? – Um golpe na intimidade feminina?

O que é episiotomia?
O que é episiotomia?

Este artigo tem o intuito de informar as futuras mamães sobre o que é a episiotomia.

Para que haja tempo suficiente para discutir com o obstetra a necessidade de se fazer tal procedimento.

O que é episiotomia?

Uma episiotomia é um corte (incisão) na área entre a abertura vaginal e o ânus.

Essa área é chamada períneo. 

Este procedimento é feito para aumentar a abertura vaginal para o parto.

Às vezes, a abertura vaginal não se estica o suficiente para passar a cabeça do bebê.

Nesse caso, uma episiotomia ajuda seu médico no parto. 

É importante fazer uma incisão cirúrgica em vez de deixar o tecido rasgar. 

Durante anos, a episiotomia foi usada para prevenção da lágrima perineal (laceração perineal) que pode ocorrer naturalmente durante o parto vaginal.

O procedimento também foi pensado para ajudar a preservar o suporte muscular e do tecido conjuntivo do assoalho pélvico.

Hoje, no entanto, pesquisas sugerem que episiotomias de rotina não previnem esses problemas.

Mesmo que as Episiotomias de rotina não sejam mais recomendadas, ainda assim, o procedimento às vezes é necessário. 

 

Dados da episiotomia no Brasil

Segundo a Organização Mundial da Saúde, globalmente, aproximadamente 140 milhões de nascimentos ocorrem todos os anos. 

A maioria destes são partos vaginais entre mulheres grávidas sem fatores de risco identificados para complicações, tanto para elas como para seus bebês, no início do trabalho de parto.

 No entanto, em situações em que surgem complicações durante o parto, o risco de morbidade e morte graves aumenta para a mulher e o bebê. 

Aqui no Brasil, a taxa de episiotomia é considerada alta em comparação com EUA e Europa. 

Dados recentes foram divulgados pela pesquisa Nascer no Brasil, feita com mais de 23 mil mulheres pela Fundação Oswaldo Cruz em parceria com o Ministério da Saúde.

Revelaram que, entre as entrevistadas que tiveram parto normal, mais da metade (53,5%) passaram por episiotomia. 

Em mulheres de baixo risco obstétrico, essa taxa foi ainda maior, 56%. 

A desinformação dos médicos é a maior responsável por esse índice. 

Há uma tendência de continuar a fazer o que se aprendeu na época da formação, mas, na medicina moderna, é preciso ficar de olho em novas evidências científicas e se atualizar constantemente”, defende a professora de epidemiologia da Escola Nacional de Saúde Pública, Maria do Carmo Leal, uma das envolvidas na pesquisa.

Episiotomia, um golpe na intimidade da mulher?

Episiotomia - Um golpe na intimidade da mulher
Episiotomia – Um golpe na intimidade da mulher

Oito meses após o parto, mulheres com incisões perineais relatam visão negativa do corpo e do sexo.

Mulheres que tiveram episiotomia durante o parto têm uma cicatriz e uma sexualidade menos satisfatória do que as outras mães.

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, fizeram uma pesquisa com mulheres que tiveram essa incisão entre a vagina e o ânus em comparação com as mulheres que deram à luz sem cirurgia.

Os resultados deste estudo foram publicados  no International Journal of Women’s Health .

No entanto, eles devem ser tomados com cautela, uma vez que dizem respeito apenas a um pequeno número de mulheres que tiveram episiotomia.

Os cientistas desenvolveram um questionário ao qual responderam 69 mulheres que deram à luz nos 8 meses anteriores ao estudo.

Para cada item, foi atribuída uma classificação entre 1 (concordo totalmente) e 5 (discordo totalmente). 

No total, 84% dos participantes descreveram alterações na vagina e no reto após o nascimento do filho.

Destes, 15 tiveram episiotomia, 28 apresentaram lágrimas perineais de gravidade variável e 23 lágrimas anais.

Aqueles que tiveram uma episiotomia tiveram as pontuações mais baixas no questionário.

“São essas mulheres que têm a visão mais negativa do corpo e da vida sexual”, explicam os autores.

Quando a episiotomia é necessária?

A ruptura do esfíncter perineal ou lágrima perineal afeta de 1 a 5% dos nascimentos e pode ter efeitos graves. 

Uma episiotomia é então necessária para evitar os riscos. 

Neste sentido, é importante que esse assunto seja discutido durante a gravidez, porque, no momento do parto , a decisão é frequentemente tomada em caso de emergência. 

Não existe uma forma de se saber com antecedência se a episiotomia poderá ser necessária.

Mas é a falta de informação e consulta, que faz com que a intervenção seja percebida como uma intrusão médica em sua privacidade e uma violência ginecológica .

Indicações de episiotomia

A episiotomia pode ser realizada por diferentes razões:

  • encurtar o tempo de expulsão, o que evita o risco de sofrimento fetal quando a situação do bebê está em risco (bebê prematuro, cordão umbilical enrolado no pescoço);
  • prevenir o risco de descida de órgãos (prolapso) ou incontinência urinária;
  • ajudar na expulsão de mulheres que ganharam muito peso, que têm edema ou que têm um períneo muito curto (menos de 1 cm entre a vulva e o ânus );
  • bebê muito grande;
  • parto prematuro;
  • estágio prolongado de trabalho de parto.

O seu médico pode recomendar uma episiotomia se o seu bebê precisar ser entregue rapidamente porque:

  • O ombro do seu bebê está preso atrás do osso pélvico (distocia do ombro);
  • Seu bebê tem um padrão anormal de frequência cardíaca durante o parto;
  • Você precisa de um parto vaginal operatório (usando uma pinça ou vácuo).

O que é uma lágrima perineal e como prevenir?

Uma lágrima perineal é uma laceração ou rasgo no períneo que pode ocorrer naturalmente em um parto vaginal.

Uma parteira pode ajudar a evitar uma lágrima perineal durante o  parto, quando a cabeça do bebê se torna visível. 

A parteira pedirá que você pare de empurrar e respire duas vezes, rapidamente pela boca.

É assim que a cabeça do bebê pode emergir lenta e suavemente, dando tempo para a pele e os músculos do períneo se esticarem sem rasgar.

A pele do períneo geralmente se estende bem, mas pode rasgar, principalmente em mulheres que estão dando à luz pela primeira vez. 

Pesquisas sugerem que massagear o períneo nas últimas semanas de gravidez pode reduzir as chances de uma episiotomia durante o parto.

O tipo e a frequência da massagem variam entre os estudos. A maioria envolve inserir um ou dois dedos na vagina e aplicar pressão para baixo ou para o períneo.

O benefício foi mais acentuado entre as mulheres que realizaram massagem perineal duas vezes por semana

 

Tipos de episiotomias

Tipos de episiotomia
Tipos de episiotomia

A episiotomia pode ser de dois tipos: medial ou médio-lateral:

  • a episiotomia mediana corresponde a uma incisão do garfo vulvar diretamente em direção ao ânus, se estende por cerca de 4 cm;
  • a episiotomia médio-lateral é uma incisão que começa na parte média do intervalo e vai para a região isquiática e se estende por 6 cm em média. 

Complicações da episiotomia

Algumas possíveis complicações de uma episiotomia podem incluir:

  • Sangramento;
  • Rasgamento os tecidos retais e do músculo do esfíncter anal que controla a passagem das fezes;
  • Inchaço;
  • Infecção;
  • Dor durante o sexo.

Você pode ter outras complicações com base em sua condição.

Certifique-se de discutir quaisquer preocupações com seu médico antes do parto.

O que acontece durante uma episiotomia?

O procedimento e o tipo de episiotomia podem variar de acordo com a sua condição e as práticas do seu médico.

Geralmente, uma episiotomia segue este processo:

  1. Você se deitará em uma cama de parto, com os pés e as pernas apoiados para o nascimento.
  2. Se você não recebeu anestesia, seu médico injetará um anestésico local na pele e no músculo perineal. Isso entorpecerá os tecidos antes da incisão. Se a anestesia peridural for usada, você não sentirá da cintura para baixo. Nesse caso, você não precisará de mais anestesia para a episiotomia.
  3. Durante o segundo estágio do trabalho de parto (estágio de empurrar), à medida que a cabeça do bebê estica sua abertura vaginal, seu médico usará uma tesoura cirúrgica ou um bisturi para fazer a incisão de episiotomia.
  4. Seu médico entregará seu bebê, seguido da expulsão da placenta..
  5. O seu médico usará pontos (suturas) para reparar os tecidos e músculos perineais. Esses pontos se dissolverão com o tempo.

Episiotomia: geralmente mais perigosa do que útil

Episiotomia - Mais perigosa que útil
Episiotomia – Mais perigosa que útil

De fato, a literatura científica é formal : se o parto é normal e espontâneo, mesmo que a criança se apresente no banco , a episiotomia não tem vantagem em evitar lesões no períneo. 

Por outro lado, apresenta muitas desvantagens, pois pode levar ao aumento da dor , principalmente após o parto , prolongar o tempo de cicatrização em comparação com uma simples ruptura perineal e complicar a retomada da vida sexual

Especialmente se o praticante, no momento da sutura, praticou o que é chamado “o ponto do marido “.

Mas o que é o ponto do marido?

Imagine uma situação em que uma mãe acaba de dar a luz por parto normal e escuta do médico a seguinte frase: “Agora vou dar o pontinho do marido para ficar mais apertado”, Isso claro, quando o médico avisa.

Esse tal ponto do marido é um ponto feito ao término da sutura de uma episiotomia, onde se ‘aperta’ a entrada da vagina, com o objetivo de estreitar o que em teoria aumentaria a satisfação sexual do marido. 

O ponto do marido é motivo de revolta para muitas mulheres e é considerado uma prática de machismo e violência obstétrica. 

Mulheres relatam que esse ponto causa dor nas relações sexuais, muito provavelmente por causa da lesão de nervos na região.

Além da perda da elasticidade normal da vagina em função da fibrose que se forma, acontece também o estreitamento excessivo da entrada da vagina o que exige mais lubrificação. 

Essas consequências da episiotomia não melhoram com o passar do tempo.

Não deixe de esclarecer muito bem esta questão com seu obstetra antes do parto.

Riscos de uma episiotomia

A recuperação da episiotomia é desconfortável e, às vezes, a incisão cirúrgica é mais extensa do que uma lágrima perineal natural teria sido. 

Infecção é possível. 

Para algumas mulheres, uma episiotomia causa dor durante o sexo.

Uma episiotomia na linha média coloca você em risco de laceração vaginal de quarto grau, que se estende pelo esfíncter anal até a mucosa que reveste o reto. 

A incontinência fecal é uma possível complicação.

Como é a Recuperação de uma episiotomia?

Quaisquer pontos usados ​​para reparar a episiotomia geralmente são absorvidos por conta própria. 

Você pode tomar medicamentos prescritos ou usar um analgésico como paracetamol. 

No entanto, cremes ou pomadas para aliviar a dor não foram eficazes para feridas de episiotomia.

Pesquisas sugerem que cerca de 1% das mulheres (1 em cada 100) sentem dores graves que afetam seriamente suas atividades diárias e a qualidade de vida após uma episiotomia.

Se isso acontecer, pode ser necessário tratar a dor com analgésicos mais fortes, apenas com receita médica.

No entanto, medicamentos sujeitos a receita médica podem afetar sua capacidade de amamentar com segurança. 

O seu médico poderá aconselhar melhor sobre isso.

Para aliviar a dor, você pode tentar:

  • colocar uma bolsa de gelo ou cubos de gelo enrolados em uma toalha na incisão. Evite colocar gelo diretamente sobre a pele, pois isso pode causar danos
  • usando uma almofada em forma de rosca ou apertando as nádegas enquanto está sentado para ajudar a aliviar a pressão e a dor no local do corte

A exposição dos pontos ao ar fresco pode ajudar a incentivar o processo de cicatrização. Expor-se ao ar livre, sem roupas íntimas por cerca de 10 minutos, uma ou duas vezes por dia pode ajudar.

É incomum que a dor pós-operatória dure mais de duas a três semanas. 

Enquanto você estiver se recuperando, espere que o desconforto melhore progressivamente. 

Entre em contato com o seu médico se a dor se intensificar, se você desenvolver febre ou se a ferida produzir uma descarga semelhante a pus. 

Estes podem ser sinais e sintomas de uma infecção.

Fale sobre a episiotomia com seu médico

Converse com seu médico
Converse com seu médico

Compartilhe seus pensamentos sobre episiotomia com seu médico durante suas consultas pré-natais e quando o trabalho de parto começar. 

Alguns indícios no pré-natal já podem indicar que você vai precisar de uma episiotomia

Conte com o seu médico para respeitar seus desejos em relação à episiotomia  e para informar quando é a opção mais segura para você ou seu bebê.

Indo ao banheiro após a Episiotomia

Mantenha o corte e a área circundante limpos para evitar infecções. 

Depois de ir ao banheiro, despeje água morna na área vaginal para enxaguá-la.

Verter água quente sobre a área externa da vagina enquanto faz xixi também pode ajudar a aliviar o desconforto.

Você pode achar que agachar-se sobre o vaso sanitário, em vez de sentar-se nele, reduz a sensação de ardência ao urinar.

Ao limpar o ânus,, limpe suavemente da frente para trás. 

Isso ajudará a impedir que bactérias no seu ânus infectem o corte e o tecido circundante.

Se você achar que as fezes são particularmente dolorosas, tomar laxantes pode ajudar.

Esse tipo de medicamento geralmente é usado para tratar a constipação e torna as fezes mais macias e fáceis de passar.

Dor durante o sexo após a episiotomia

Não há regras sobre quando começar a fazer sexo novamente após o parto.

Nas semanas após o parto, muitas mulheres se sentem doloridas e cansadas, tenham sido submetidas a uma episiotomia ou não. 

Não se apresse. 

Se o sexo dói, não será agradável.

Se você teve uma lágrima perineal ou uma episiotomia, a dor durante o sexo é muito comum nos primeiros meses.

Você pode engravidar menos de três semanas após o nascimento de um bebê, mesmo se estiver amamentando e se a sua menstruação não tiver começado novamente.

Use algum tipo de  contracepção toda vez que fizer sexo após o parto, incluindo a primeira vez (a menos que queira engravidar novamente).

Sinais de infecção na episiotomia

Fique atento a quaisquer sinais de que o corte ou tecido circundante tenha sido infectado, como:

  • pele vermelha e inchada
  • descarga de pus ou líquido do corte
  • dor persistente
  • um cheiro que não é usual para você

Informe o seu médico assim que possível se você tiver este sinais de infecção, para que ele possa garantir o tratamento necessário. 

Formação de tecido cicatricial excessivo 

Para algumas mulheres, forma-se um tecido cicatricial excessivo, elevado ou com coceira  no local onde ocorreu uma lágrima perineal ou onde uma episiotomia foi realizada. 

Se o seu tecido cicatricial estiver causando problemas, informe o seu médico.

O tecido cicatricial não se estica, portanto você pode precisar de uma episiotomia novamente se tiver tecido cicatricial excessivo e tiver outro bebê.

 

Evitando a Episiotomia
Evitando a Episiotomia

E o que efetivamente pode ser feito para evitar a episiotomia?

Atenção: A recomendação é que algumas das seguintes práticas sejam aplicadas somente a partir de 37 semanas (quando o bebê já está pronto para nascer!) para evitar o parto prematuro.

  • Fazer exercícios físicos 

Para estimular o início das contrações é preciso movimentar-se. Vale andar no shopping atrás das últimas peças do enxoval, caminhar no parque ou mesmo em volta da mesa em casa , mas movimente-se

  • Ter relações sexuais

A relação sexual pode contribuir para induzir o parto de três maneiras. A primeira é pelo estímulo uterino que os orgasmos provocam. Segundo, pela liberação natural de ocitocina que a atividade gera. Uma versão sintética deste hormônio é administrada à gestante na hora do parto. Por último, o sêmen contém prostaglandina, que pode deixar o colo do útero melhor preparado para a dilatação. Não havendo indicações médicas contrárias, o sexo é seguro sempre.

  • Massagear os mamilos 

Fazer massagens e dar beliscões suaves nos bicos dos seios estimula a liberação de ocitocina, o hormônio que é responsável pelas contrações. É recomendado fazer as massagens três vezes ao dia. 

  • Aquecer-se 

A MTC, Medicina Tradicional Chinesa ensina que, para entrar em trabalho de parto, a mulher precisa estar aquecida. Daí vem a ideia de ingerir comida apimentada e tomar banhos mornos. Mas cuidado: se você não estiver acostumada com pimenta, pode ter azia e irritação no intestino e não exagere na temperatura do banho para não desmaiar. 

  • Fazer sessões de acupuntura 

Segundo estudos, agulhas introduzidas em pontos específicos do corpo diminuem o tempo do trabalho de parto. Procure um médico acupunturista confiável, que tenha experiência com grávidas. 

  • Ter ajuda do obstetra 

Os médicos dispõem de alguns truques. Em casos especiais, quando há risco para a mãe ou o bebê é possível o médico introduzir o dedo no colo do útero e descolar a bolsa, induzindo assim as contrações ou mesmo rompendo a bolsa amniótica.

  • Comer Tâmaras

Uma pesquisa realizada com 114 mulheres pela Universidade de Ciência e Tecnologia da Jordânia mostrou que o consumo dessa fruta é excelente para as grávidas. No estudo, elas foram divididas em dois grupos: um deles foi incentivado a comer seis tâmaras ao dia durante as quatro semanas anteriores à data prevista para o parto, enquanto o outro não ingeriu a fruta no mesmo período. As mulheres do primeiro grupo apresentaram maior índice de dilatação (aproximadamente 3,52 cm) ao dar entrada no hospital em comparação às do segundo (2,02 cm). Outro dado relevante do estudo foi em relação ao uso de medicamentos para indução do parto, que no grupo das que comeram tâmaras ocorreu em apenas 28% dos casos (contra 47% do outro grupo). Na Jordânia, a tâmara é encontrada com facilidade. Por aqui, você talvez terá de pesquisar em lojas de produtos naturais. 

  • Exercícios com bola suíça

Exercícios na bola suíça (aquela usada no pilates), relaxam a lombar e alongam o assoalho pélvico. Liberar a tensão dos músculos desta região melhora a circulação do sangue e por consequência , os impulsos nervosos, e isso favorece o trabalho de parto de uma maneira geral.

  • Massagens

A massagem é uma aliada importante durante toda a gravidez, e mais ainda no trabalho de parto. As fibras nervosas presentes na pele carregam os impulsos nervosos gerados por meio desse contato até o cérebro, aliviando dores e tensões. Para potencializar o efeito da massagem, peça ao seu acompanhante que faça movimentos circulares com uma bola de tênis nas costas (ombro e lombar) e você pode utilizar um óleo essencial de lavanda, por exemplo, para ajudar no relaxamento.

E então vamos conversar sobre episiotomia com o médico? Melhor do que ter uma surpresa desagradável!

Se gostou, comente e compartilhe este post. Muitas futuras mamães podem se beneficiar desta informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.