Tudo o que você precisa saber sobre Fertilização In Vitro (FIV)

Neste artigo você vai ficar sabendo tudo sobre Fertilização In Vitro – FIV!

Primeira bebe de proveta -  Louise Brown
Primeira bebe de proveta – Louise Brown

Louise Brown nasceu em 1978, fruto da primeira fertilização in vitro com sucesso – foto Daniel Leal Olivas – AFP

Hoje em dia falar em fertilização in vitro (FIV) é praticamente comum.

Mas não faz muito tempo, era um procedimento misterioso para a infertilidade.

Ou seja, que produzia o que então eram conhecidos como “bebês de proveta“.

Louise Brown, nascida na Inglaterra em 1978, foi o primeiro bebê a ser concebido fora do ventre de sua mãe.

Tudo sobre Fertilização in Vitro – FIV

FIV significa fertilização in vitro. É um dos tipos mais amplamente conhecidos de tecnologia de reprodução humana assistida.

A fertilização in vitro funciona usando uma combinação de medicamentos e procedimentos cirúrgicos para ajudar o espermatozóide a fertilizar um óvulo.

Também para ajudar o implante de óvulo fertilizado no seu útero .

Em primeiro lugar, você toma medicação que faz com que vários dos seus óvulos amadureçam e estejam prontos para a fertilização.

Segundo, o médico retira os óvulos de seu corpo e os mistura com espermatozóides em laboratório, para ajudar os espermatozóides a fertilizarem os óvulos.

Em seguida, eles colocam 1 ou mais óvulos fertilizados ( embriões ) diretamente no seu útero .

A gravidez acontece como resultado de qualquer um dos embriões se implantar no revestimento do seu útero.

No entanto a fertilização in vitro tem muitas etapas e leva vários meses para concluir todo o processo.

Às vezes funciona na primeira tentativa, mas muitas pessoas precisam de mais de uma rodada de fertilização in vitro para engravidar.

A fertilização in vitro definitivamente aumenta suas chances de gravidez se você está tendo problemas de fertilidade.

Porém, não há garantias – o corpo de cada pessoa é diferente e a fertilização in vitro não funciona para todas.

Continue lendo para saber absolutamente tudo sobre FIV…

Números da FIV

Segundo o portal G1 mais de meio milhão de bebês nascem a cada ano a partir da fertilização in vitro.

fertilização in vitro
fertilização in vitro

A fertilização in vitro e a infertilidade

Quando se trata de infertilidade, a fertilização in vitro pode ser uma opção se você ou seu parceiro tiverem sido diagnosticados com:

  • Endometriose
  • Baixa contagem de espermatozóides
  • Problemas com o útero ou as trompas de falópio
  • Problemas com a ovulação
  • Problemas de anticorpos que prejudicam espermatozóides ou óvulos
  • A incapacidade de os espermatozóides penetrarem ou sobreviverem no muco cervical
  • Um problema inexplicável de fertilidade

 

Fertilização in vitro e a infertilidade
Fertilização in vitro e a infertilidade

A FIV nunca é o primeiro passo no tratamento da infertilidade, exceto em casos de bloqueio tubário completo.

Em vez disso, ele é reservado para casos em que outros métodos, como medicamentos para fertilidade , cirurgia e inseminação artificial, não funcionaram.

Como escolher uma clínica de fertilidade?

Se você acha que a FIV pode fazer sentido para você, avalie cuidadosamente o centro de tratamento antes de passar pelo procedimento.

Além disso, aqui estão algumas perguntas para a equipe da clínica de fertilidade:

  • Qual é a sua taxa de fertilidade por transferência de embrião?
  • Qual é a sua taxa de gravidez para casais na nossa faixa etária e com nosso problema de fertilidade?
  • Qual é a taxa de natalidade para todos os casais que passam por este procedimento todos os anos em suas instalações?
  • Quantos desses partos são gêmeos ou outros nascimentos múltiplos?
  • Quanto custará o procedimento, incluindo o custo dos tratamentos hormonais?
  • Quanto custa armazenar embriões e por quanto tempo podemos armazená-los?
  • Você participa de um programa de doação de óvulos?

FIV passo a passo

Existem cinco etapas básicas no processo de transferência de fertilização in vitro e embrião:

Etapa 1: Medicamentos de fertilidade são prescritos para estimular a produção de óvulos.

Óvulos múltiplos são desejados porque alguns óvulos não se desenvolvem ou fertilizam após a recuperação.

Em primeiro lugar uma ultrassonografia transvaginal é usada para examinar os ovários. Além disso,  amostras de sangue são coletadas para checar os níveis hormonais.

Passo 2: Os óvulos são recuperados através de um pequeno procedimento cirúrgico que utiliza imagens de ultrassom para guiar uma agulha oca pela cavidade pélvica para remover os óvulos. Também uma medicação é fornecida para reduzir e remover o desconforto potencial.

Passo 3: O homem é solicitado a produzir uma amostra de espermatozóides. Posteriormente preparada para combinar com os óvulos.

Passo 4: Em um processo chamado inseminação , o espermatozóide e os óvulos são misturados e armazenados em um prato de laboratório para estimular a fertilização.

Em alguns casos onde há uma menor probabilidade de fertilização, a injeção intracitoplasmática de espermatozóides  (ICSI) pode ser usada.

Através deste procedimento, um único espermatozóide é injetado diretamente no óvulo, na tentativa de alcançar a fertilização.

Posteriormente os óvulos são monitorados para confirmar que a fertilização e a divisão celular estão ocorrendo.

Quando isso ocorre, os óvulos fertilizados são considerados embriões.

Passo 5: Os embriões são geralmente transferidos para o útero da mulher de três a cinco dias após a recuperação e fertilização do óvulo. Em outras palavras, um cateter ou tubo pequeno é inserido no útero para transferir os embriões.

Este procedimento é indolor para a maioria das mulheres, embora algumas possam sentir cólicas leves .

Se o procedimento for bem sucedido, o implante geralmente ocorre em torno de seis a dez dias após a retirada do óvulo.

Taxas de sucesso da fertilização in vitro
Taxas de sucesso da fertilização in vitro

Quais são as taxas de sucesso para a fertilização in vitro?

As taxas de sucesso para a FIV dependem de vários fatores, incluindo a razão da infertilidade, a realização do procedimento e a idade.

Há menos de duas décadas atrás, as taxas de sucesso da fertilização in vitro ficavam na casa dos 30%.

Ou seja, somente uma a cada três tentativas de fecundar um óvulo com um espermatozóide no laboratório e, então, introduzi-lo no útero dava certo.

No entanto, durante o Congresso da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva deste ano, os especialistas já falavam em 80% de chance de o procedimento funcionar.

“Estamos orgulhosos do progresso nos índices de nascimentos. Eles são uma medida real dos avanços na área”, afirmou Bradley Van Voorhis, presidente da Sociedade Americana de Tecnologia para a Reprodução Assistida, em um comunicado à imprensa.

 

FIV no Brasil

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a responsável pelo monitoramento dos dados de produção dos Bancos de Células e Tecidos Germinativos desde 2008.

A agência avalia, dentre outras coisas, a qualidade das clínicas que fazem o procedimento, quantas fertilizações in vitro são realizadas por ano e também o número de embriões congelados.

Mas não há registro de quantas fertilizações de fato resultaram em nascimentos.

Segundo a Anvisa, isso acontece porque após a fertilização, as pacientes são acompanhadas por outros profissionais e clínicas.

Segundo Philip Wolff, diretor dos laboratórios de Andrologia, Embriologia e Criopreservação da Genics Medicina Reprodutiva, estima-se que mais de 500 mil crianças nasceram com o uso da técnica no Brasil.

“Sabe-se contudo que a primeira criança nascida no Brasil foi em outubro de 1984 e desde então o número de procedimentos de reprodução humana assistida e resultados positivos só vêm crescendo”, explica.

No entanto, a estimativa é de que os números sejam ainda maiores do que os 8 milhões relatados.

Além do Brasil, outros países como China e Índia fazem processo de fertilização, mas não têm dados relatados.

Todo o conteúdo deste site, incluindo opinião médica e qualquer outra informação relacionada à saúde, é apenas para fins informativos e não deve ser considerado como um diagnóstico específico ou plano de tratamento para qualquer situação individual. O uso deste site e as informações contidas neste documento não criam uma relação médico-paciente. Sempre procure o conselho direto de seu próprio médico em relação a quaisquer perguntas ou problemas que você possa ter em relação à sua própria saúde ou à saúde dos outros.

Se você curtiu este post, comente e compartilhe. Se já teve uma experiência com FIV, conte pra gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.